sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Lição 3 – Josué Conduz Israel na Travessia do Rio Jordão


INTRODUÇÃO

Nesta lição, Josué enfrenta outros desafios: a tragédia moral e espiritual do povo, bem como a travessia do Rio Jordão em época de cheia, mas como líder subordinado a vontade de Deus, ele encoraja o povo a enfrentar as dificuldades com fé e determinação, sabendo que o Senhor estava no meio deles e o milagre iria acontecer!

O QUE ACONTECEU ANTES DO POVO CHEGAR A SITIM?

a) Moisés ainda estava vivo quando Israel chegou às campinas de Moabe (Nm 22.1).
b) Balaque era o rei dos moabitas (22.4), e enviou mensageiros a Balaão (um profeta, filho de Beor), com o valor dos encantos, para que viesse amaldiçoar o povo de Israel. Pelo que consultou Balaão ao Senhor e foi proibido de acompanhar os mensageiros. Insistindo o rei, novamente enviou mensageiros à Balaão, dessa vez, príncipes com mais honrarias, pelo que disse Balaão: “...Ainda que Balaque me desse a sua casa cheia de prata e de ouro, eu não poderia traspassar o mandado do SENHOR, meu Deus...” (Nm 22.18). Mas, ao consultar o Senhor, Balaão recebeu permissão para ir, na condição de fazer o que o Senhor lhe ordenar. É nesse caminho que acontece o episódio em que a jumenta fala (Nm 22.30).
c) Balaão encontra-se com Balaque (Nm 22.36-41) e em vez de maldição, Balaão abençoa o povo por três vezes:
1ª vez – “Como amaldiçoarei o que Deus não amaldiçoa? E como detestarei, quando o SENHOR não detesta? [...] eis que este povo habitará só e entre as nações não será contado.” (Nm 23.8-9).
2ª vez – “Deus não é homem, para que minta; nem filho de homem, para que se arrependa; porventura, diria ele e não o faria? Ou falaria e não o confirmaria? [...] pois ele tem abençoado, e eu não o posso revogar [...]o SENHOR, seu Deus, é com ele e nele, e entre eles se ouve o alarido de um rei [...] Pois contra Jacó não vale encantamento, nem adivinhação contra Israel” (Nm 23.19-23).
3ª vez – “Que boas são as tuas tendas, ó Jacó! Que boas as tuas moradas, ó Israel! [...] Deus o tirou do Egito; as suas forças são como as do unicórnio; consumirá as nações, seus inimigos, e quebrará seus ossos [...] Benditos os que te abençoarem, e malditos os que te amaldiçoarem.” (Nm 24.5-9).

Vale salientar que Balaque não se agradou de Balaão, pois abençoou o povo de Israel por três vezes em vez de amaldiçoar, e disse-lhe “foge para o teu lugar; eu tinha dito que te honraria grandemente; mas eis que o SENHOR te privou desta honra.” (Nm 24.11). Balaão disse que iria voltar, mas que ainda iria falar o que o Senhor faria ao povo de Moabe nos últimos dias. Em seguida, o texto termina registrando que Balaão voltou para sua terra e Balaque seguiu seu caminho.
A morte de Balaão está registrada em Nm 31.8 e Js 13.22.

OBS.: Embora o texto não deixe claro, a Bíblia contém vários registros em que Balaão deu a fórmula para corromper o povo de Israel e recebeu o prêmio da injustiça. Confira: Nm 31.16; 2 Pe 2.15; Jd 1.11; Ap 2.14.

A TRAGÉDIA ESPIRITUAL E MORAL DE ISRAEL EM SITIM

Diz o texto “E Israel deteve-se em Sitim, e o povo começou a prostituir-se com as filhas dos moabitas (segundo o conselho de Balaão) [...] e o povo comeu e inclinou-se aos seus deuses [...] a ira do SENHOR se acendeu contra Israel” (Nm 25.1-3). Nesse momento Deus ordenou a Moisés que enforcasse os principais do povo, aos que se juntaram a Baal Peor (deus dos moabitas). Um dos filhos de Israel trouxe uma mulher midianita para seus irmãos, mas Finéias, neto de Arão o sacerdote, pegou uma lança e ultrapassou os dois pela barriga e assim a praga cessou do meio do povo. Os que morreram naquela praga foram 24 mil pessoas (Nm 25.4-9).

DE SITIM À MARGEM DO RIO JORDÃO

Como vimos na lição anterior, após a morte de Moisés, Deus fala a Josué e o anima, prometendo que onde pisasse a planta do seu pé, seria dado aos filhos de Israel. Faltavam três dias para acontecer à travessia do Rio Jordão (1.11). Israel estava acampado nas planícies de Moabe (Dt 34.1), diretamente a leste de Jericó e rio Jordão. São enviados dois espias à Jericó, e conseguem informações importantes, a ponto de Josué afirmar “...Certamente o SENHOR tem dado toda esta terra nas nossas mãos, pois até todos os moradores estão desmaiados diante de nós” (2.23-24).

“Levantou-se, pois Josué de madrugada, e partiram de Sitim, e vieram até ao Jordão...” (v. 1)
- Josué reuni o povo e avança para as margens do Rio Jordão.

CURIOSIDADES SOBRE O RIO JORDÃO

O rio Jordão
(hebraico: nehar hayarden) é um importante rio da Terra Santa, formando a fronteira entre Israel e a Jordânia. Jordão significa “aquele que desce” ou também “lugar onde se desce”.
O rio tem profundidade média de 1 a 3 metros e largura de 30 metros.
O povo de Israel atravessou o rio a seco (Js 3.15-17). Também foi atravessado a seco por Elias e Eliseu (2Rs 2.8-9). Por intermédio de Eliseu, diz a Bíblia, houve dois milagres no Jordão: a cura de Naaman por ter mergulhado sete vezes no rio; e fez flutuar um machado (II Reis 5:14, 6:6).
Nos Evangelhos, João Batista desenvolveu a sua pregação nas proximidades do Jordão, onde Jesus foi batizado e não terá sido longe daí que decorreu o período das suas tentações. Atualmente, o Rio Jordão é uma das maiores fontes de água de Israel.
Extraído da Wikipédia (enciclopédia livre).

A ARCA DO CONSERTO

Passaram três dias nas margens do Rio Jordão, e prepararam o povo para a travessia. Foram instruídos a esperar, até que os sacerdotes passagem com a arca do conserto do Senhor, e após eles seguiriam também. (v. 2-3).
A arca representava a presença de Deus, e serviu para que acontecesse o milagre na abertura do Rio Jordão.
Porém o povo ficou a uma distância de 900 metros (2000 côvados), na travessia do Rio Jordão, mas deveria seguir, pois nunca haviam passado por aquele caminho antes (v. 4).

JOSUÉ EXORTA O POVO À SANTIFICAÇÃO (v.5)

Quando Josué diz “santificai-vos”, é o mesmo que dizer: “separai-vos das coisas profanas, consagrai-vos, purificai-vos”. De modo geral, portanto, podemos definir santificação como separação para Deus, ou seja, afastar-se de toda impureza moral e espiritual.
Aproveitando o ensejo, devemos aplicar aqui uma analogia: assim como Josué liderava o povo em direção à terra prometida, Cristo lidera a Igreja para a Canaã Celestial. Da mesma forma que Josué disse “santificai-vos”, Jesus diz: “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” (Jo 17.17). Ou seja, também devemos viver uma vida de santificação pela Palavra de Deus. Temos que ser separados para Deus, e o apóstolo Paulo diz que somos “santificados em Cristo Jesus” (1Co 1.2). A santificação do crente é um processo continuo por toda vida. Após aceitar Cristo, entregar a vida definitivamente a ele, o cristão inicia o processo de santificação. Então o Espírito Santo mortificará os atos do corpo (Rm 8.13); colocará nele obediência à Palavra (1Pe 1.22); produzirá o fruto do Espírito (Gl 5.22-23) e usá-lo-á na obra de Deus. É assim que ele irá crescer na “graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo” (2Pe 3.18). Mas isso não significa perfeição absoluta! Jesus disse: “Sede vós, pois, perfeitos, como é perfeito o vosso Pai, que está nos céus” (Mt 5.48), se isto se refere à absoluta ausência de pecado e semelhança a Deus, ninguém jamais cumprirá esse preceito. Apenas “quando vier o que é perfeito, então, o que o é em parte será aniquilado.” (1Co 13.10), o corpo do crente será então glorificado (Fl 3.20-21) e se tornará o instrumento perfeito de obediência a Deus. Mas João admoesta a qualquer que nele (em Cristo) tem essa esperança, que “purifique-se a si mesmo” (1Jo 3.2-3).

A SANTIFICAÇÃO ANTECEDEU O MILAGRE

Quando o milagre precede a santificação.
O povo de Israel presenciou todos os milagres que Deus fez no Egito, mas não foi suficiente, pois quando chegaram próximo ao Mar Vermelho, havia medo em vez de confiança, e eles diziam: “Não havia sepulcros no Egito, para nos tirares de lá, para que morramos neste deserto? [...] Pois que melhor nos fora servir aos egípcios do que morrermos no deserto.” (Ex 14.11-12). Eles murmuravam, mas Moisés disse ao povo: “Não temais; estai quietos e vede o livramento do SENHOR [...] O SENHOR pelejará por vós, e vos calareis”, em seguida Deus manda Moisés levantar a vara e estender a mão sobre o Mar, de forma que o mar se dividiu e os filhos de Israel passaram pelo meio do Mar em seco. Mas observe, o milagre veio antes, pois o relato diz que após o milagre “temeu o povo ao SENHOR e creu no SENHOR e em Moisés, seu servo” (Ex 14.31).
Entretanto, quando o milagre vem antes não funciona. Pois o povo presenciou essa tão grande maravilha e outras, mas não deixou de ser um povo teimoso (Ex 32.9; Dt 9.13), rebelde (Dt 31.27), infiel e descrente, de forma que Deus destruiu aquela geração (Jd 5), só restaram os de idade de vinte anos para baixo (Nm 32.11), com exceção de Josué e Calebe (Nm 14.30).

Quando a santificação precede o milagre. Agora o povo teria que passar o Rio Jordão, (muito proporcionalmente menor que o Mar Vermelho), mas Deus preparou um dia especial, pois eram os dias da sega, era primavera, e a neve desgelava das montanhas do Líbano, deixando o rio transbordante (Js 3.15), impossível de se atravessar para o outro lado. Todavia, para que Deus mostrasse o seu poder, Josué manda o povo se santificar, pois o milagre iria acontecer no meio deles (Js 3.5). Aqui vemos uma outra situação. O líder do povo pede para que eles se consagrem se afastem da incredulidade, e confiem inteiramente no Deus Todo-poderoso, para verem o milagre acontecer.
Aprendemos então que devemos viver por fé. Primeiro acreditamos e depois vemos o milagre acontecer. Cabe a nós crer e esperar a manifestação do poder de Deus, pois “a fé é o firme fundamento das coisas que se esperam e a prova das coisas que se não vêem.” (Hb 11.1). Em 2Co 5.7 diz que “andamos por fé e não por vista”; lembremo-nos de Tomé! Só acreditou quando viu, mas o Senhor lhe repreendeu: “Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram!” (Jo 20.29). Aleluia!

O POVO ATRAVESSA O RIO JORDÃO

Josué dá ordem aos sacerdotes para irem adiante do povo com a arca do concerto (v. 6), e ouve mais uma vez a voz de Deus: “Este dia começarei a engrandecer-te perante os olhos de todo o Israel, para que saibam que assim como fui com Moisés assim serei contigo” (v. 7).

Deus monta o cenário do milagre (v. 8)
Os sacerdotes colocam a arca do concerto nos ombros e começam a andar em direção ao Jordão. Deus manda Josué ordenar aos sacerdotes que parem na beira do Rio. A novecentos metros dali estava o povo acompanhando e observando o que iria acontecer. As águas do rio transbordavam e do outro lado estava a terra prometida.

Josué age e o milagre acontece (vv. 9-17)
“Chegai-vos para cá e ouvi as palavras do SENHOR [...] Nisto conhecereis que o Deus vivo está no meio de vós [...] assim que as plantas dos pés dos sacerdotes que levam a arca do SENHOR, o Senhor de toda a terra, repousem nas águas do Jordão, se separarão as águas do Jordão [...] e os pés dos sacerdotes que levavam a arca se molharam na borda das águas [...] pararam-se as águas que vinham de cima [...] e separaram-se; então, passou o povo defronte de Jericó [...] e todo o Israel passou em seco, até que todo o povo acabou de passar o Jordão.”

COMPROVAÇÃO DA TRAVESSIA DO JORDÃO

Encontramos no livro “E a Bíblia Tinha Razão”, escrito por Werner Keller, a seguinte pergunta:

“Novamente, os israelitas caminharam em seco pelas "águas que vinham de cima, pararam num só lugar e levantando-se à maneira de um monte..." Pouco importa a forma pela qual se tentou tornar plausível a passagem pelo chamado "mar Vermelho", ou melhor, "mar dos Juncos", a repetição do episódio com a passagem do Jordão é suspeita. Afinal de contas, seriam apenas histórias e não a história aquilo que nos contam os autores da Bíblia, em relação ao êxodo israelita do Egito para a Terra Prometida?”

Mais a frente o escritor dá um breve relato do acontecimento:

“Quando Israel chegou ao Jordão, o rio estava cheio. "Porque o Jordão, sendo o tempo da ceifa, inundava as margens do seu leito" (Josué 3.15). Como acontece todos os anos, havia começado o degelo das neves do Hermon. "As águas, que vinham de cima, pararam num só lugar, e levantando-se à maneira de um monte..." — como que se empilharam — "...perto da cidade de Adom... e todo o povo de Israel ia passando pelo
leito do rio a pé enxuto" (Josué 3.16 e 17).


Em seguida, relata:

“Entretanto, o represamento da água do Jordão, que tem sido testemunhado diversas vezes, é devido sobretudo a terremotos. O último dessa espécie aconteceu em 1927. Devido a um violento abalo desmoronaram-se as margens do rio, e grandes massas de terra das pequenas colinas que se erguem ao longo de todo o curso serpeante rolaram para o rio. A água ficou inteiramente represada durante vinte e uma horas. Em 1924, ocorreu a mesma coisa. Em 1906, o Jordão entulhou-se de tal modo devido a um terremoto, que o leito do rio abaixo de Jericó ficou inteiramente seco durante vinte e quatro horas. Narrativas árabes falam de um acontecimento semelhante em 1267 da nossa era.”

Agora leia o relato de Josué: “pararam-se as águas que vinham de cima; levantaram-se num montão, mui longe da cidade de Ada...” (Js 3.16), relaciona-se esse fato com o ocorrido em 1267, segundo o cronista árabe [de nome Huwairi, conforme Ed. Paulinas, pág. 222] o Jordão cessou de correr durante dez horas, porque desmoronamentos do terreno haviam obstruído o vale, precisamente na região de Adamá-Damieh. (Bíblia de Jerusalém, pág. 317, em relação à Js 3, 16).
Concluímos que em nada diminuiria a ação de Deus se se tivesse servido miraculosamente, nesse momento exato, destes elementos locais.

“E aconteceu que, como os sacerdotes que levavam a arca do concerto do SENHOR subiram do meio do Jordão, e as plantas dos pés dos sacerdotes se puseram em seco, as águas do Jordão se tornaram ao seu lugar e corriam, como antes, sobre todas as suas ribanceiras.” (Js 4.18)

CONCLUSÃO

Deus mostrou o seu poder na travessia do Rio Jordão, isso é fato incontestável, e serve para aumento de nossa fé, pois estamos de caminho para Canaã Celestial e, às vezes, nos deparamos com “rios” que tentam interferir nossa caminha à conquista, mas ao confiarmos no Todo-poderoso, todos os obstáculos caem por terra e o nome do Senhor é glorificado! Ele é o Deus dos milagres meu irmão.

3 comentários:

Sonia Quintela disse...

Continue na presença de Deus, para realizar comentários das lições com
palavras simples e a exegese do texto facilitando a compreensão e
sobretudo facilitando a didática de
ministrar as aulas! Já estou aguardando o comentário da lição 4 e das próximas lições.Para tanto, se faz necessário:!Santificai-vos,
porque amanhã fará o SENHOR maravi
vilhas no meio de nós"E.B.D-Maceió

Jean disse...

Paz do Senhor irmã Sonia!

Continue orando por mim, para que Deus me dê sabedoria e entendimento de sua palavra.

Meu objetivo é sempre o de aprender... e o que consigo, coloco no blog.

Obrigado pelas visitas.
Deus te abençoe!

Eliana disse...

graça e paz amado

Que o Senhor Jesus continue lhe dando graça,conheciment e dedicação
sempre no prepar de seus estudos ,pois estou orando e saiba que muito me foi util .Deus abençoe!

ELIANA SILVA