terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Lição 1 - Josué, Um Líder Escolhido Por Deus


Estou disponibilizando o comentário atrasado por problemas na minha net, mas também para termos um acompanhamento de cada lição desse novo trimestre.


INTRODUÇÃO

O assunto deste trimestre trata do Livro de Josué. Narra a continuação do Pentateuco, relatando a travessia do Jordão por Israel, após a morte de Moisés, para a entrada de Canaã. Sob a liderança de Josué, as doze tribos conquistam e povoam a terra prometida. O livro abrange aproximadamente 25 a 30 anos da história de Israel, e conta como “deu... a Israel toda a terra que jurara dar a seus pais” (Js 21.43).
Do começo ao fim, Josué se destaca como líder escolhido por Deus, e deixa importantes lições para nossa vida pessoal, familiar e de liderança cristã.

HISTÓRICO

Para falarmos sobre Josué, temos que voltar um pouco na história. Desde quando Deus chamou a Abrão, e disse que saísse “...da sua terra, da sua parentela, da casa de seu pai, para a terra que lhe mostraria (Gn 12.1); tendo partido, seguiu de Harã para Canaã. Ao chegar o Senhor lhe apareceu e disse: “...À tua semente darei esta terra...” (Gn 12.7). É interessante notar que Abrão, quando se separou de Ló, foi habitar na terra prometida (Gn 13.12); Deus apareceu a Abrão, quando tinha noventa e nove anos, e disse: “Anda na minha presença e ser perfeito... serás pai de uma multidão de nações... Abraão será o teu nome... reis sairão de ti... estabelecerei o meu concerto entre mim e ti e a tua semente depois de ti em suas gerações... e DAREI a ti e a tua semente depois de ti A TERRA DE TUAS PEREGRINAÇÕES, TODA A TERRA DE CANAÃ em perpétua possessão” (Gn 17.1-8); Isaque e Jacó também habitaram na terra prometida (Gn 37.1). Jacó, cujo nome foi mudado para Israel (Gn 32.28), teve doze filhos, porém José (um de seus filhos que foi vendido por seus irmãos) era governador do Egito. E houve grande fome na terra de Canaã, de forma que os filhos de Israel foram comprar alimento no Egito (Gn 42.5), de forma que foram reconhecidos por José, e o Faraó mandou buscar toda a família para morar no Egito.
Foi assim que o povo de Israel chegou ao Egito, deixando a terra de Canaã, prometida por Deus a Abraão.
O tempo em que os filhos de Israel habitaram no Egito foram de quatrocentos e trinta anos (Ex 12.40). Deus escolheu Moisés, o hebreu, para livrar o seu povo que era cativo no Egito.
Moisés matou um egípcio que estava ferindo um hebreu, e teve que fugir ameaçado de morte pelo faraó. Habitou na terra de Midiã, onde conheceu seu sogro Jetro. Moisés apascentava as ovelhas quando foi a Horebe, o monte de Deus, e teve uma visão: um pé de sarça que estava em chamas e não se queimava (Ex 3.3), foi quando Deus lhe bradou e disse: “Moisés! Moisés! [...] Eu sou o Deus de teu pai, o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó [...] Tenho visto atentamente a aflição do meu povo, que está no Egito, e tenho ouvido o seu clamor por causa dos seus exatores, porque conheci as suas dores [...] desci para livrá-lo da mão dos egípcios e para fazê-lo subir daquela terra a uma terra boa e larga, a uma terra que mana leite e mel [...] Vem agora, pois, e eu te enviarei a Faraó, para que tires o meu povo, os filhos de Israel, do Egito” (Ex 3.1-10).
Assim, Deus através de Moisés, tirou o povo da escravidão do Egito, e livrou Israel com mãos poderosas, abrindo o Mar Vermelho para o povo passar.
Foram quarenta anos de peregrinação para chegar à terra de Canaã, pois o povo murmurou, e falou contra Deus e contra Moisés, de forma que os de vinte anos para baixo não entrou na terra prometida, mas foram prostrados no deserto (Ex 16.35; ver 1Co 10.1-5).
Moisés, porém, não iria entrar na terra prometida por causa da contenda nas águas de Meribá, onde ele agiu de má fé (prevaricou) contra Deus (Dt 32.48-51; confira Nm 20.9-13). “Ouvi agora, rebeldes: porventura, tiraremos água desta rocha para vós?”.

Moisés precisava ser substituído, e aí entra o personagem de estudo da nossa lição!

QUEM ERA JOSUÉ? (BIOGRAFIA)

A primeira vez que seu nome aparece na Bíblia, foi numa peleja entre os israelitas e os amalequitas, em Refidim. Disse Moisés a Josué: “Escolhe-nos homens, e sai, e peleja contra Amaleque...” (Ex 17.9).

Seu nome era Oséias (sig. salvação) Nm 13.8,16, foi mudado para Josué (sig. o Senhor é salvação) por Moisés. Era filho de Num, da tribo de Efraim; nasceu no Egito e era provavelmente da idade de Calebe, a quem é freqüentemente associado.
Seu nome aparece mais de duzentas vezes em toda a Bíblia,

Pelo contexto, entendemos que ele participou de todos os acontecimentos relacionados com o Êxodo e ocupou a posição de comandante do exército israelita na batalha contra os amalequitas, em Refidim (Ex 17:8-16). Tornou-se o ajudante de Moisés, tendo-o acompanhado parte do caminho, quando ele ascendeu ao Monte Sinai, a fim de receber as duas tábuas da lei (Ex 32:17). Foi também um dos doze que Moisés enviou a espiar a terra de Canaã (Nm 13:16,17) e somente ele e Calebe trouxeram um relatório favorável. Sob a direção de Deus, Moisés, antes da sua morte, investiu Josué de um modo solene e público, com autoridade sobre o povo e como seu sucessor (Dt 31:23).

A VOCAÇÃO DE JOSUÉ

Os israelitas estavam acampados em Moabe, pronto para entrar em Canaã, a Terra prometida. Existiam lá pequenos reinos, cada um com seu exército, para serem subjugados, tomadas suas cidades fortificadas. Era preciso travar batalhas decisivas, com a ajuda de Deus que queria cumprir sua promessa. Tempos difíceis estão à frente, precisa-se de alguém, uma testemunha ocular dos feitos de Deus! Que homem poderia ser melhor para isso do que o próprio Josué, designado sucessor de Moisés? (Nm 27.15-23).

A PREPARAÇÃO DE JOSUÉ

Muitos anos antes de substituir Moisés como líder de Israel, Josué demonstrou ser um homem de fé, visão, coragem, lealdade, obediência inconteste, oração e dedicação a Deus e à sua palavra.
Deus escolheu Josué como líder, mas até ele assumir a liderança enfrentou diversos obstáculos. Durante os 40 anos passados no deserto, ele foi íntimo colaborador de Moisés. Tem sido “ministro de Moisés quando já era um homem, em quem havia o espírito”, o que mostra sua aptidão como líder espiritual e líder militar. (
Nm 11.28; Ex 24.13; 33:11; Jos. 1:1) Quando Israel saiu do Egito, Josué era capitão dos exércitos de Israel, quando este derrotou os amalequitas. (Ex 17.9-14) Na qualidade de companheiro leal de Moisés e valente comandante do exército, era a escolha lógica para representar a tribo de Efraim, quando se escolheu um homem de cada tribo para a perigosa missão de espiar Canaã. A coragem e fidelidade que demonstrou nessa ocasião lhe asseguraram a entrada na Terra Prometida. (Nm 13.8; 4.6-9,30,38) Sim, este Josué, filho de Num, é um “homem em quem há espírito”; um homem que ‘seguiu a Deus integralmente’, um homem “cheio do Espírito de sabedoria”. Não é de admirar que “Israel continuou a servir a Deus todos os dias de Josué”. — Nm 27.18; 32.12; Dt 34.9; Js 24.31.

JOSUÉ ASSUME A LIDERANÇA

Para dar continuidade à obra de redenção de Israel, Josué assume a liderança. Agora à sua frente está o grande desafio: substituir aquele que foi um líder segundo a vontade de Deus, Moisés.
Como líder ele: foi animado pelo Senhor, Js 1.1-9; enviou espias a Jericó, Js 2.1-23; atravessou o Rio Jordão, Js 3; capiturou a Jericó, Js 6; salvou Gibeão, Js 10.6-27; guerreou contra reis, Js 12; sorteou as terras, Js 13-22; apelou para o povo, Js 23.1-24. 13; renovou a aliança, Js 24.14-27.

Deus usou Josué de maneira maravilhosa, mas assim também Ele quer fazer conosco, quer que nos entreguemos com fidelidade e compromisso para fazer a sua obra e assumir a posição de líder espiritual em nossos lares, em nossa família.

QUALIDADES NA VIDA DE UM LÍDER

1. Qualidades Espirituais

Obediência
- É indispensável que o líder caminhe ao lado e com Deus na liderança. É necessário uma obediência plena da parte dele. Josué foi um “servidor obediente” ao seu líder (Ex 17.9,10; 24.13), numa demonstração que era também a Deus.

Irrepreensível
– Josué era íntegro, tinha caráter, seu viver era irrepreensível. O que um líder ensina em relação às verdades espirituais da Palavra de Deus, devem condizer com a verdade. Não deve acontecer de que um membro chegue diante dele e o acusa de não estar praticando o que prega, de não estar cumprindo este ou aquele outro mandamento da Palavra de Deus.

As qualidades espirituais devem ser prioridades absolutas na vida do líder. Se ele assim proceder, as pessoas irão querer imitar o seu exemplo.

2. Qualidade Morais
Os líderes devem possuir uma vida limpa, isso não deve ser por medo dos liderados, mas sim, pelo temor diante de Deus, por querer agradá-lo. Josué sempre se demonstrou equilibrado, mantendo os princípios morais aprendido com Moisés.

3. Qualidades pessoais
Cada líder tem a sua própria personalidade. Ninguém é igual a ninguém. Porém há qualidades pessoais que cada líder deveria ter preocupação. Um líder deve estabelecer alvos pessoais. Ele deve estabelecer alvos para si mesmo, bem como para sua congregação.

JOSUÉ É UMA PREFIGURAÇÃO DE CRISTO


O nome Josué (hb. Yehoshua’ ou Yeshua’) é o equivalente hebraico do nome “Jesus” no NT, em grego (ver 1.1 nota). Josué, no seu encargo de introduzir Israel na terra prometida, é um tipo ou prefiguração no AT, de Jesus, cuja obra foi levar “muitos filhos à glória” (Hb 2.10; 4.1-13; 2 Co 2.14). Além disso, assim como o primeiro Josué usou a espada do terrível juízo divino na conquista, assim também o segundo Josué a usará na conquista das nações no fim da história (Ap 19.11-16).

CONCLUSÃO

Assim como Josué, Deus conta com nossas vidas para executar sua obra aqui na terra e levar o Ide do evangelho de Cristo, com obediência, dedicação, coragem, sujeição, fé, etc, uma vida santificada na presença e vontade de Deus.


FATORES CONTRIBUEM PARA UMA LIDERANÇA ESPIRITUAL DEFEI­TUOSA, TAIS COMO:

Medo.
O desejo de ser amado e admirado é forte. Portanto, em lugar de contrariar a opinião pública, o líder sente-se tentado a manter-se inativo e apenas sorrir amávelmente para as pessoas, "O temor do homem se transforma em arma­dilha", diz o Espírito Santo, e isso fica demonstrado no ministério mais do que em qualquer outro setor.

As dificuldades financeiras. O ministro protestante quase nunca é bem pago e a família do líder geralmente é grande. Com­bine esses dois fatos e você tem uma situação ideal para criar pro­blemas e tentações ao homem de Deus. A tendência da congregação de suspender as ofertas quando o pregador toca em seus pontos fracos é bem conhecida. O pastor vive no geral de ano para ano, quase não conseguindo saldar seus compromissos mensais. Propor­cionar à igreja uma liderança moral vigorosa representa quase um convite aos problemas financeiros e o pastor então a retém. O mal é que a liderança retida transforma-se de fato numa espécie de liderança ao inverso. O homem que não leva suas ovelhas montanha aci­ma, as faz descer sem que o saiba.

Ambição. Quando Cristo não é tudo em todos para o minis­tro, este é tentado a abrir caminho para si mesmo, e agradar a mul­tidão é um meio já provado de subir nos círculos da igreja. Em vez de guiar os fiéis para onde devem ir, ele habilmente os leva aonde sabe que eles querem ir. Ele aparenta então ser um líder ousado, mas evita ofender quem quer que seja, assegurando assim um cargo privilegiado quando a igreja grande ou a posição mais elevada se oferecerem.

Orgulho intelectual. Os círculos religiosos infelizmente ren­dem culto à inteligência. Mas isto, em minha opinião, não passa de puro estilo "rebelde". Do mesmo modo que o "rebelde" apesar de seus fortes protestos de individualismo é um dos conformistas mais servis, o jovem intelectual no púlpito treme em seus sapatos bri­lhantes com medo de dizer algo banal ou comum. Os fiéis esperam que ele os leve às verdes pastagens, mas em vez disso ele os guia em direção ao deserto.

Ausência de verdadeira experiência espiritual. Ninguém pode levar outros para além do ponto em que ele mesmo já chegou. Isto explica a falha na liderança de muitos ministros. Eles simplesmente não sabem para onde ir.

Preparo insuficiente. As igrejas estão cheias de amadores re­ligiosos, culturalmente desclassificados para servirem no altar, e o povo sofre as conseqüências disso, As ovelhas são desviadas sem se aperceberem do que está acontecendo,As recompensas da liderança santa são tão grandes e as respon­sabilidades do líder tão pesadas que ninguém pode deixar de levar a sério esse assunto.

2 comentários:

Roberto Garcia disse...

Gostaria de saber a idade de josué quando saiu do egito?

robertogago30@hotmail.com

Robson Quaresma disse...

Excelente estudo! Parabéns!