sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

LIÇÃO 9 – O Senhor Peleja Pelo Seu Povo

INTRODUÇÃO

Deus prometeu a Abraão: “porque toda esta terra que vês te hei de dar a ti e à tua semente, para sempre” (Gn 13.15). Nesta lição, vemos o cumprimento dessa promessa. As vitórias de Israel dependeram da intervenção imediata de Deus. Para cumprir seus planos e propósitos, Deus se utiliza de grandes milagres, a fim de conceder a vitória aos que lhe obedecem.

AS VITÓRIAS DE ISRAEL AO SUL DA PALESTINA

O capítulo 10 de Josué (especificamente os versículos 1-5) mostra que houve grande temor entre cinco reis dos amorreus, pois ouviram o que Josué e Israel fizera aos reis de Jericó e Ai, destruindo-os totalmente, bem como o acordo de paz entre Gibeão e os israelitas. Lembramo-nos que Gibeão, inicialmente, fazia parte da aliança dos povos que iriam pelejar contra Israel (os gibeonitas eram heveus Js 9.1-2), mas usando de astúcia, enganaram os israelitas e fizeram aliança.
Aconteceu que Adoni-Zedeque, rei de Jerusalém, quando soube da aliança entre israelitas e gibeonitas, enviou mensageiros aos reis de Hebrom, Jarmute, Laquis e Egron, solicitando ajuda para ferir aos traidores gibeonitas. Então se juntaram os cinco reis dos amorreus e subiram para pelejar contra Gibeão (v.5). Os gibeonitas, por sua vez, sabendo que não era possível vencer cinco reis, pediram ajuda a Josué “sobe apressadamente a nós, e livra-nos, e ajuda-nos” (v. 6).

Josué socorre os gibeonitas (v.7)

Josué e o povo de Israel, até o momento encontravam-se acampados em Gilgal (local onde ergueram um memorial após a travessia do Rio Jordão, 4.8,20), mesmo depois das vitórias sobre Jericó e Ai.
Quando Josué soube que os amorreus juntaram-se contra Gibeão, subiu “ele e toda a gente de guerra com ele e todos os valentes e valorosos”, confiando no Senhor dos Exércitos, que disse: “Não os temas, porque os tenho dado na tua mão; nenhum deles parará diante de ti” (v. 8). Josué e o exército caminharam por toda a noite em direção à Gibeão. Chegando, de repente, surpreendeu aos amorreus que pelejavam contra os gibeonitas, mas “o SENHOR os conturbou diante de Israel, e os feriu de grande ferida em Gibeão” (v. 10) e os amorreus fugiram. Porém Israel os seguiu e os feriu.

Deus intervém a favor de Israel

No versículo 10, diz: “...o SENHOR os conturbou...”, ou seja, o Senhor abalou o estado de espírito dos amorreus, de forma que eles fugiram abalados, confundidos, perturbados. Assim Deus interveio no meio do seu povo, e intervirá sempre que necessário (Sl 40.14; Is 41.11).

Como Deus estava no controle da situação, mesmo que o inimigo tentasse fugir, o Senhor Onipotente os alcançaria; os amorreus não seriam alcançados a tempo pelos israelitas, então Deus entrou em ação: “o SENHOR lançou sobre eles, do céu, grandes pedras [...] e morreram; e foram muitos mais os que morreram das pedras da saraiva do que os que os filhos de Israel mataram à espada (v. 11). Quando o Senhor estende o seu braço a favor do seu povo, a vitória é certa e não tem inimigo que fique de pé; se preciso for, Ele se utiliza da natureza e faz coisa grandes e firmes que nem esperamos. Aleluia! (Is 30.30; Jr 33.3).


O DIA MAIS LONGO DA HISTÓRIA

Queridos leitores, adentramos agora no ponto da lição mais esperado. O comentarista nos adverte que os milagres bíblicos não necessitam de provas científicas para serem verdadeiros, pois a inspiração e a autoridade da Escritura são suficientes para crermos em sua realidade. Pois bem, se acreditamos nos milagres que castigaram o Egito, na abertura do Mar Vermelho, na providência divina durante os quarenta anos do deserto, que saiu água da rocha, que o Rio Jordão parou de escorrer para o povo passar, etc., quem vai duvidar que Deus pode fazer cair pedras do céu, ou fazer com que o sol e a lua se detenham?

Antes de falar sobre o assunto em si, gostaria de usar três passagens bíblicas como base para o que segue:

“Haveria coisa alguma difícil ao SENHOR?” (Gn 18.14a)
“Eis que eu sou o SENHOR, o Deus de toda a carne. Acaso, seria qualquer coisa maravilhosa demais para mim?” (Jr 32.27)
“Porque para Deus nada é impossível” (Lc 1.37)

EXISTE EXPLICAÇÃO CIENTÍFICA PARA O DIA PROLONGADO DE JOSUÉ?

De todos os milagres registrados no livro de Josué, sem dúvida, nenhum é tão digno de nota e tão discutido, como esse que se refere ao dia prolongado.

VEJAMOS ALGUMAS POSSIBILIDADES E, AO MESMO TEMPO, SUBSÍDIOS:

a) A terra parou?
De acordo com a ciência, se a terra tivesse parado de girar por 24 horas, uma catástrofe teria devastado tudo que estivesse na superfície do planeta. Porém, para quem crer no Onipotente Deus, criador da Terra, concordam que Ele teria impedido a tragédia, suspendendo as leis da física.

b) A terra diminuiu a rotação?
Segundo o texto hebraico, não parece necessário que a Terra tenha parado subitamente, não executando seu movimento de rotação sobre si mesma.
Como explica Gleason Archer:
“O sol, pois, se deteve no meio do céu e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro”. As palavras “não se apressou” parecem indicar um retardamento do movimento solar (ou seja, da rotação da Terra). Em vez de vinte e quatro horas, o dia teria tido quase quarenta e oito”.
Segundo ele, “pesquisas trouxeram à luz relatos de fontes egípcias, chinesas e hindus a respeito de um dia muito longo. Harry Rimmer relata que alguns cientistas astrônomos chegaram à conclusão de que está faltando um dia inteiro no cálculo astronômico [...] alguns cientistas traçaram a origem desse dia que falta aos tempos de Josué.
(Enciclopédia de Dificuldade Bíblicas)

c) A ciência astronômica comprova que o dia foi acrescido de 23h20m?
A Bíblia narra “quase um dia inteiro” (v. 13b). O professor Tottem, astrônomo da Universidade de Yale, descobriu esse dia longo. Ele contou o tempo para trás, partindo do equinócio do outono de 1886 até o dia da batalha de Josué. Achou que a mesma acontecera no dia 22 de julho de 1447 a.C., numa quarta-feira. Isso foi possível, graça as expressões “o sol se deteve no meio do céu... e a lua no vale de Aijalom”. A ciência diz que somente há um dia no ano em que os dois astros assumem tais posições naquela região: 22 de julho.
Segundo Tottem, foi descoberto que a Terra está fora do horário cronológico, pela contagem regressiva, cerca de “24 horas” e não apenas “quase um dia inteiro”. Então os estudos continuaram entre ele e outros sábios, e finalmente chegaram a 2 Rs 20.11, e encontraram a complementação da passagem de Josué. O “quase um dia inteiro” de Josué 10.13, corresponde a 23h20m. Os “10 graus” que declinaram do relógio do sol de Acaz, corresponde a 40 minutos, completando assim as 24 horas perdidas pelo cálculo do professor Tottem.
(Lição Bíblica do 1º Trimestre de 1992).

Existem mais possibilidades?
Passei a semana lendo e pesquisando, achei muitos textos que traçam outras possibilidades, mas tinham muitas informações sem comprovação, e não julguei dignas de serem postadas aqui.

O SOL SE DETEVE E A LUA PAROU “QUASE UM DIA INTEIRO”

“Então, Josué falou ao SENHOR...” (v. 12a). Essa parte do texto indica que Josué fez uma oração ou petição a Deus. A segunda parte diz: “...Sol, detém-te em Gibeão, e tu lua, no vale de Aijalom”, ou seja, Josué orou ao Senhor pedindo que o sol se detivesse e a lua parasse. O fato é que o Senhor ouviu a voz de Josué e o milagre aconteceu: “E o sol se deteve, e a lua parou...” (v. 13a). Isso foi registrado no Livro dos Justos (ou Livro do Reto, hebraico “Jaser”, e em 2Sm 1.18, “Yashar”).

A expressão “detém-te” significa “silencia-te”, mas por vezes tem o sentido de “deixa” ou “acaba” e ainda “pára”. Em Gn 1.14, diz que Deus criou os luminares (sol e lua) para separar dia e noite, bem como “para sinais e para tempos determinados e para dias e anos”. Eles servem para contar o tempo também. Portanto, quando Deus ouviu a oração de Josué, ordenou aos luminares “fiquem quietos, silenciados ou parados”, Deus usou a linguagem comum, o sol e a lua não continuaram sua atividade costumeira.

O que eu quero dizer com linguagem comum?
Vejamos: “O sol e a lua pararam nas suas moradas” (Hc 3.11a). Habacuque usa, em sua oração, a linguagem comum, provavelmente ele tinha conhecimento do dia prolongado de Josué. Da mesma forma como ficou registrado em Js 10.13 “o sol se deteve, e a lua parou”. Ainda hoje usa-se a expressão “o sol nasce” e “o sol se põe”, dando a entender que é o sol que se movimenta. Mas sabemos que, pela ciência, é a terra que se move em torno do sol no processo de translação e em torno do seu próprio eixo, no processo de rotação.

OBS.: Segundo a tradição judaica, é atribuída a Josué a autoria literária do livro (18.9; 24.26). Agora raciocine comigo: Josué está escrevendo e descrevendo o que aconteceu naquela batalha; então ele usa a “expressão comum” segundo seu conhecimento e diz: “O sol, pois, se deteve no meio do céu e não se apressou a pôr-se, quase um dia inteiro”. Se eu estivesse relatando a mesma história, naquela época, não teria mudado nada na frase, pelo fato de não possuir conhecimento científico suficiente (ou nenhum), para descrever que a terra diminuiu o seu processo de rotação e o dia foi prolongado.

“Não ignoreis a ignorância usada até hoje, pois o sol nasce, passa por cima da nossa cabeça e se põe” (Jean Claude).

DEUS PODE FAZER O QUE ELE QUIZER

O mais importante é que a batalha estava travada, Josué queria a vitória, e para isso era necessário um milagre! Ele orou ao Senhor diante dos israelitas, e o Senhor atendeu a sua oração.

Aplicando: Nós servimos ao Deus de Israel, o Todo-poderoso, criador de todas as coisas, que está no controle de tudo. Quando enfrentarmos os desafios, por maiores que pareçam ser as dificuldades, se houver necessidade de um milagre, oremos, pois, com fé, segundo a sua vontade, Deus nos ouve e mostra seu poder! (1Jo 5.14).

“Assim como tu não sabes qual o caminho do vento, nem como se formam os ossos no ventre da que está grávida, assim também não sabes as obras de Deus, que faz todas as coisas” (Eclesiastes 11:5).

Deus não revelou como fez o milagre, mas sabemos que “não houve dia semelhante a este, nem antes nem depois dele...” (v. 14). Por que Deus pelejava por Israel. O Senhor interferiu e interfere quando e como bem entender, pois “Os céus manifestam a glória de Deus e o firmamento anuncia a obra das suas mãos. Um dia faz declaração a outro dia, e uma noite mostra sabedoria a outra noite. Sem linguagem, sem fala, ouvem-se as suas vozes em toda a extensão da terra, e as suas palavras, até ao fim do mundo...” (Sl 19.1-4).

OS CINCO REIS

A vitória contra os cinco reis foi tão grande que ninguém falava nada contra os filhos de Israel (v. 21), todos ficavam calados diante de tão grande poder manifestado pelo Deus de Josué.
Os cinco reis foram tirados de uma caverna, onde ficaram presos durante a batalha, e foram apresentados diante de Josué, que os feriu e os enforcou em madeiros. Ao pôr-do-sol, foram tirados dos madeiros e jogados na cova onde estavam anteriormente escondidos, e fecharam com grandes pedras.

NOVAS CONQUISTAS MILITARES DE ISRAEL

Depois de presenciar os milagres de Deus e a vitória sobre os cinco reis, Josué animado diz: “Não temais, nem vos espanteis; esforçai-vos e animai-vos, porque assim fará o SENHOR a todos os vossos inimigos, contra os quais pelejardes” (v. 25).
O registro diz que “naquele mesmo dia” (v. 28), Josué pelejou e venceu mais sete reinos, são eles: Maquedá, Libna, Laquis, Gezer, Eglom, Hebrom e Debir, de forma que feriu Josué “todos os seus reis; nada deixou de resto; mas tudo o que tinha fôlego destruiu, como ordenara o SENHOR, Deus de Israel” (vv. 28-43, conf. Dt 20.16-17).

Levantou-se ainda outra coligação de reis da região norte de Canaã (Js 11.1-5), eram diversos reis, “estes e todos os seus exércitos com eles, muito povo, em multidões como a areia que está na praia do mar, e muitíssimos cavalos e carros” (Js 11.4), todos para pelejarem contra Israel. Mas Deus diz a Josué: “...Não temas diante deles, porque amanhã a esta mesma hora eu os darei todos feridos diante dos filhos de Israel...” (Js 11.6). E assim foi, Josué e o exército derrota todas as cidades e seus reis, destruindo-os totalmente, cortando as pernas dos cavalos (jarretar) e queimando os carros a fogo (Js 11.9,12).

Ao todo, Josué feriu “trinta e um reis” (Js 12.7-24), “e a terra repousou da guerra” (Js 11.23). Todas as conquistas foram bem sucedidas, por causa da obediência de Josué à ordem divina: “Como ordenara o SENHOR a Moisés, seu servo, assim Moisés ordenou a Josué; e assim Josué o fez; nem uma só palavra tirou de tudo o que o SENHOR ordenara a Moisés” (Js 11.15). A obediência a Deus e a sua Palavra é fundamental para alcançarmos a vitória sobre os inimigos.


CONCLUSÃO

O Senhor peleja por seu povo e a vitória é certa! Diante das adversidades, das dificuldades, das batalhas espirituais, das crises, das tribulações, dos sofrimentos, entre outras, devemos confiar no Senhor, pois de nada tem falta quem nele confia (Sl 34.10). Creia no poder de Deus e veja o milagre acontecer na sua vida.

3 comentários:

Tatiana disse...

irmão jean dou aula para as irmãs na escola biblica e o seu comentario enrriqueceu muitissimo minha aula de amanhã tenho certeza que o senhor tem ajudado muitas pessoas entenderem o maravilhoso livro de histórias veridicas que é a nossa amada palavra de DEUS muito obrigado!

irmã Tatiana

CEADEJ - JABOATÃO DOS GUARARAPES disse...

Faltou a bibliografia!!! kkkk
no demais muito bom.

Jean disse...

Irmã tatiana, Deus te abençoe e ore por mim para que Deus me dê mais sabedoria e entendimentod a sua Palavra.

Irmão Paulo André, tu és o meu mestre, e peço desculpa se não coloque a bibliografia no lugar certo e de maneira completa. Entretanto, o nome dos autores e dos livros de onde foram extraídos os comentários estão dentro do texto, mas estou aprendendo agora... rs